Arquivo | amigos RSS feed for this section

Ser feliz é deixar a lágrima escorrer

20 nov

Minha mestra me ensinou que se perder é o primeiro passo pra encontrar o que eu procuro. E que o verdadeiro valor das coisas está na emoção que empregamos em nossas atitudes.

Com ela aprendi que ter medo é como ter coragem, é interesse. Com o ela o sorriso tem a mesma importância da lágrima e do abraço.

Por estamos juntas, descobri que a entrega é o encontro. Aquele que está no espelho. Aquele que é fiel ao que eu sou.

Com ela pude ser e querer me libertar. Pude sorrir e chorar. Pude me abraçar e me permitir voar. Nela eu vejo o amor e o cuidado que um dia quero também carregar.

Ela me inspira e me provoca. Me instiga e estimula simplesmente por ser. Ela transforma, ela é.

Juntas temos medos e anseios, sonhos e desencontros. Mas hoje eu sou porque ela é. E juntas somos mais. Ela é gratidão, esperança a amor. Ela transborda. Ela é vida!

Ana Kiyan é minha história, parte de mim, parte de eu. 

Anúncios

Sobre o amor e as possibilidades da vida

19 nov
Coração aperta.
Coração liberta.
Sentimento é força que viaja o mundo,
ultrapassa oceanos.
Coração respira.
Inspira.
Amor prepara,
se prepara.
Amor vive.
Amor busca.
Eu vou.
Vou?
Você vai?
O amor…
O amor pode.
O amor vai.
E eu, vou?

“In”maginando

5 set

Quando eu imagino o futuro, vejo um lugar amplo onde as crianças correm por entre as árvores e os raios de sol. Também vejo infinitas prateleiras de livros com todos os diferentes nomes que se possa conhecer, inclusive o meu. Vejo cadernos espalhados pela sala de onde brilham letras e traços coloridos como as que vejo no meu corpo refletido no espelho.

No futuro existem muitas boas histórias para contar. Delas escorrem algumas lágrimas e muitas risadas são ouvidas. Não há mais cicatrizes e se pode andar livremente na rua. No jardim se estende uma longa mesa repleta das gerações que construímos. Tod@s cozinham junt@s e dormem sob o mesmo céu.

A fogueira vive acesa e os violões nunca param de tocar. No meio da fumaça, dança. Muita dança e muito canto. Na roda, ninguém pertence a ninguém. Tod@s pertencem unicamente a si mesm@s. Existe amor e existe beijo. As mãos dadas se tocam e se trocam com calor e respeito. É um tempo bom.

Uma estrela, um sol

21 jun

Foi numa noite que você se anunciou. Ainda tinha outro rosto e até outro nome. Foi chegando como quem não queria nada, mas eu já sabia. Mudaria minha vida pra sempre.

Acalmou. Dormiu. Sonhou. E foi numa outra noite que você se anunciou de verdade. Uma implosão no útero. No dela e no meu. Num abraço te senti ainda pequenina. Uma força sem tamanho.

Numa noite não dormi. Acordei com o telefonema. “Malpha, você é titia!”. Pulei, chorei, sorri. E lá se vão quatro anos de muitos sorrisos. 

E que venham muitos mais. Muios anos de Maria Morena. Minha sobrinha. Meu amor. Minha família. 

Uma boa noite

14 maio

Hoje eu tive uma boa noite. A convite da minha querida Mya, assisti shows de Nando Reis e Teatro Mágico. TM eu não conhecia  muito bem e tinha bastante preconceito, mas foi bem divertido! Já o Nando… Bem, o Nando. 

Dos meus compositores favoritos, Nando Reis é um que coloca no palco imagens poéticas de uma imensidão capaz de me balançar inteira. Ele toca minha alma com muito calor e delicadeza ao mesmo tempo que a invade sem medo. Ver  Nando pela primeira vez no palco é também estar um pouco com Cássia Eller. Fiquei imaginando Nando pensando nela em cada música como se eu pudesse ouvi-lo falar com ela, cantar pra ela, com ela. Cássia é Nando e Nando é Cássia. Amizades assim transformam a gente. Tão fortes que burlam a morte para se encontrar.

Hoje também foi a primeira vez que saí sem curativos em 3 anos. Tenho hidradenite supurativa e isso se tornou um grande impedimento para usar regatas, roupas coladas e alguns tecidos. Minhas axilas estão com uma inflamação constante e dolorosa.

Resultado de muitas rejeições, violências e medos, essa é uma doença e tanto pra quem aguenta um desafio. Mas hoje ela não foi. Hoje eu mostrei pela primeira vez parte dessa inflamação pra Tati, minha querida irmã-amiga-cunhada. A Tati é um dos meus principais apoios. Ela tá sempre comigo e sempre de coração aberto, assim como procuro estar para ela. Minha vida não tem vida sem Tati. 

Arrumando as roupas pra mudança, Tati me deu de presente um vestido. Lindo. Amei! Cavado… e agora? Eu não uso roupa sem manga. Não mostro meus curativos. Mas então eu o vesti. Quer dizer, acho que ele me vestiu. Lá estava eu pensando em nunca mais sair da frente do espelho e lutando contra a exposição. 

Medo. Coragem. Apoio. Vou usar. E usei. Foi fácil não. Tive alguns momentos de receio e de conversa. Tanta gente que se acaba de tristeza por uma pinta, o que é uma pele machucada? É só outro tipo de pinta. E foi pela primeira vez em anos eu esqueci da minha doença, da minha dor, do meu cheiro por algumas horas e simplesmente vivi. Dancei, cantei, sorri. Levantei os braços… Ufa! Como foi bom!

Nessa noite de primeiras vezes, agradeço por não ter medo, por não sentir dor, por esquecer a doença, por ver Nando, por sentir Cássia e pela Tati. Sem Tati não tem Malpha.

No sábado à noite

1 abr

Vi tua sombra na porta de um teatro. Num pequeno susto te reconheci. Sorri. Eu sabia que não era você, mas continuei sorrindo e imaginando encontrar teus olhos assim que virasse pra trás. De tanta curiosidade decidi olhar para o dono da tua silhueta.

Achei graça daquilo, onde já se viu querer conversar com uma sombra? Mas ali naquele perfeito ambiente da representação pensei na arte de sermos um o (ao) outro e lembrei das incansáveis conversas que temos sozinhos, mas sempre juntos.

Sorri novamente. Conversávamos, afinal. Eu e tua sombra, uma representação perfeita de nós dois na porta de um teatro. Uma rápida despedida.
A peça ia começar.

o futuro pertence ao presente

23 out

afinal,
o que está é.
e nele não cabe a dúvida.
não existe espaço para “e se”s.