Arquivo | saudade RSS feed for this section

À espera de uma cor

22 jun

Não sei lidar com dia cinza. Adoro cores e quero elas por todo o meu céu. 

O dia tá cinza, o humor está cinza, a saudade está da mesma cor.

Tem dia que é assim, não colore nada. Só lembra a gente que tem muita coisa atravessada pra resolver. 

Cadê o sol que estava aqui dentro? Cadê o abraço quentinho? Cadê o vermelho, o azul, o verde, o rosa? Cadê?

Não sei. Fez uma pausa. Tirou férias. 

Paciência cinza. Paciência que a cor volta. 

Anúncios

Memórias

27 set

Nossa pequena vila ficava ao pé da montanha. Os pássaros anunciavam o raiar do dia antes mesmo do sol despontar.

Aos poucos, nós mulheres nos levantávamos e nos preparávamos para nossos pequenos afazeres. Fazíamos nossas orações e tranquilamente iniciávamos as tarefas.

O som do riacho era macio e acalmava nossas mentes preocupadas. Cheias de esperança, tínhamos o olhar no horizonte. Mas nenhum som anunciava a chegada dos homens em seus cavalos.

Após o almoço, nos reuníamos para contemplar as grandes cerejeiras. O vento trazia pétalas que tocavam suavemente nossas faces e assim, cada pedacinho de nossas almas. O silêncio era vivo.

Os corações apertados derramavam lágrimas silenciosas.

A primavera chegava ao fim.

ainda

21 maio

o vazio.

depois de um tempo sem ouvir a tua voz,

tudo o que me resta é o vazio.

esse monte de ar que circunda o meu corpo

e preenche o horizonte,

o nosso horizonte!

e as nossas estrelas?

o vazio do presente.

O passado tem gosto de jabuticaba

25 abr

De repente, passou um filme na minha cabeça de uma infância inteira e de muitas lembranças…

de muros pulados

e panelas antigas

com macarrão aos domingos

aos gritos italianos

fazendo bolinhos de lama

olhando a bicicleta velha

ouvindo o barulho do trem

tomando o café da tarde

admirando os armários antigos

roubando as ferramentas paradas

sentindo o cheiro do café fresquinho

da calçada morna

dos olhos claros

da tia que era quase avó

e as bacias de jabuticaba…

23 abr

pela manhã, quando estiver lendo o jornal

você desejará me contar uma notícia extraordinária.

e eu, quando estiver fazendo minhas orações ao fim do dia,

desejarei ter compartilhado o meu dia com você.

assim seguiremos.

esperaremos um pelo outro,

pela companhia do outro.

até que, sem que percebamos,

as feridas estarão curadas

e não lembraremos que um dia,

fomos um.