Sem pressa

11 jul

Se eu fosse boa me dava logo de presente. Mas ainda não, eu digo. Sou do tipo cachaça curtida. Logo viro um beberico saboroso e lhe dou um gole.
Sem pressa, ando repetindo. Assim a vida se acalma antes de ter eu que acalmar minha própria vida.
Enquanto isso vou dançando no meu canto solitário.
Sem tristeza. Sem pressa. Só curtindo.

sobre mim

11 jul

o melhor de não ter todas as respostas é poder fazer as perguntas que eu quiser!
sou um silêncio de dúvidas ambulantes.
e você?

30 jun

quebrei uma promessa:

fugi e não me arrependo.

dos três, éramos zero possibilidades de encontro.

vê-lo, senti-lo e ouvi-lo.

e apesar de querer todos,

decidi ficar em casa dançando.

sorrisos e passos e rodopios e eu.

quem vai me dizer que não valeu a pena?…

outra nota sobre o amor

17 jun

lembrando agora, eu fiz promessas. nós fizemos.

nós não somos mais nós e isso não me deixa mais infeliz como antes,

pelo contrário, me liberta. e isso já faz tanto tempo!

mas as músicas me fazem lembrar das dores,

das noites insones e também de sonhos, de mudanças.

hoje, ao olhar para o lado vazio da cama,

sinto que a porta e a janela se abrem…

…a luz voltou a entrar

Lave as mãos antes de escrever

16 jun

Eu falo bastante palavrão. Pelo menos a minha mãe acha isso. Considerando que uma mulher “não pode ter a boca suja” porque é coisa de homem [o quê? ser livre?], eu falo palavrão pra burro.

Minha chefe é uma pessoa muito preocupada com a imagem das palavras. Uma imagem a gente não controla. – ela diz. No Teatro Livre, uma das minhas funções é escrever mensagens, e-mails e essas coisas que ninguém quer fazer e eu adoro.

Junta os pontos: uma chefe preocupada com a imagem das palavras e minhas tarefas diárias. Cada vírgula é escolhida, pensada e refletida. Já fora do meu mundo… Fora do meu mundo a minha avó teria lavado a boca de muita gente com sabão! E ela nunca fez isso comigo, então minha mãe está errada.

Homer Simpson

xinguei um monte pra arrumar essa imagem

A famosa “liberdade de expressão” faz a gente engolir cada coisa! É de embrulhar o estômago! Raramente está acompanhada de respeito ou educação. Portanto, não é liberdade! A quantidade de grosseira despejada no leitor é tanta que deveria ser utilizada para conter a água radioativa do complexo atômico de Fukushima! Menos, minha gente!

E não só de palavrão se suja a tela. É tanta agressividade que eu até desisto de ler algumas coisas. Também gosto de xingar ou fazer uma brincadeira obscena de vez em quando [sempre], mas calmaê! Tudo o que eu escrevo precisa ser ofensivo ou cheio de palavrão? TUDO?!

O que houve com o poder de brincar com as palavras? Eu não sou nenhuma mestra nisso, muito pelo contrário! Só penso um tantinho pra não ofender ninguém e deixar clara a mensagem. Eu erro e erro muito! Até aceito meu o direito de errar… [mentira. fico péssima quando erro]

A verdade é que me irritei. Muita boca suja na internet. Minha sobrinha tem quase 2 anos e agora ela repete tudo. Todo mundo está tentando se controlar pra ela aprender as palavras que precisa usar. Tem gente que devia fazer o mesmo.

Nota mental

12 jun

Meu avô sempre dizia: é melhor ouvir do que ser surdo.

Vô, o senhor tinha um bocado de razão, mas nem por isso algumas palavras deixam de nos ferir. Tem verdades que não ditas surtem mais efeito. Já outras provocam um maremoto dentro da gente.

Por mais que eu me esforce, minha espontaneidade tem gerado mais mal entendido do que soluções. E olha que eu nem estou falando de relações com outros seres humanos! A parada é aqui dentro, no caos.

Tenho buscado muitos maremotos. Está na hora de uma calmaria ou de um mergulho.

Nota

im.perfeito

11 jun

tenho medo da perfeição
é um medo terrível da certeza limpa

todos os meus últimos encontros e decobertas foram perfeitos
nenhum passou da ideia

a ideia perfeita me assusta
e assusta ainda mais do que não ter ideia nenhuma

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.