o futuro pertence ao presente

23 out

afinal,
o que está é.
e nele não cabe a dúvida.
não existe espaço para “e se”s.

Acabou

13 out

Já disse algumas vezes que estou ligadona no tal relacionamento a três [nada nem perto de concretizar, é verdade], MAÃS, as esperanças existem. Algumas…

Dito isso, informo que terminei meu relacionamento com Eduardo Jorge e Marina Silva. Tudo certo, sem grandes dores. Um foi tão curto que nem deu pra apaixonar mesmo. Já o outro… Coisa mais antiga, sabe? Daqueles namoros de devolver a escova de dentes, mesmo que pouco usada.

Não foi das maiores decepções. Não fui tão imbecil de me entregar cegamente a esse tipo de paixão. Foi algo intenso e passou. No momento, não consigo lembrar tanto das coisas boas. Término de namoro, certo? A gente fica dolorido, magoado.

Do nosso breve trio amoroso, uma fala da peça “Meu Reino Por Um Cavalo” [Dias Gomes] fica martelando na minha cabeça:

Nossas bandeiras… Onde estão nossas bandeiras, Selma? A história limpou a bunda com elas!

Como o próprio Eduardo disse, podemos sempre errar. É nosso direito humano. Mas esquecer uma trajetória… Sei não. Desconfio.

Ao ponto

11 out

Hoje é aniversário do Jader, único post com data marcada deste humilde e ainda imaturo blog.

Assumo que fui (sou) uma das piores amigas do Jader nestes últimos dois anos e que, ao mesmo tempo, uma amiga que lembrou dele todos os dias. Todos os dias? TODOS OS DIAS. Pensando bem, é quase uma perseguição…

Esse ano o Jader lançou seu livro. Eu o comprei, li e reli. Poucas coisas me deixam tão feliz quanto olhar meu exemplar na estante.

Amigo se realiza nas realizações dos outros.

Hoje estou feliz.

“Quando vi seu rosto, me deu um estalo, uma necessidade de me machucar por dentro para sentir algo maior na vida.”

os números

22 set

um dia
eu
um dia
você
um dia
dois
dia
dois dias
ele
eu e ele
você
um
nós dois
vós dois
eles
nós

Das lágrimas de ontem, hoje e amanhã

15 set

A gente tem dessas, né? Dizem que é coisa de mulher, mas eu discordo. Bato logo no peito e digo: mulher, sim! Mas antes de qualquer coisa, humana. Então logo a faísca apaga e dou um sorriso como quem diz “é coisa do mundo”.

Tem dias que a gente chora, chora, chora até não dar mais. Adormece, acorda, toma café e chora no banho, chora no trânsito, chora no trabalho, chora na fila do banco. Chora porque não aguenta chorar mais!

Lágrima acumulada tem cara de não cessar nunca. Sempre tem uma última para escorrer e qualquer pequena lembrança faz surgir outra enxurrada.

“Isso passa.” Claro. Sempre passa.

Bons sentimentos precisam de adubo e um tiquinho de lágrima pra crescerem novos e mais verdinhos.

Por favor, me ajude!

7 set

Tô chegando em casa depois do ensaio e de uma Roda de Dança linda, cantarolando feliz! O joelho reclamou. Tudo bem, pego um taxi mesmo com os últimos 10 reais até o próximo pagamento. Nem isso me tiraria o bom humor.
Até que então…

Taxista – Ontem eu vi tanta mulher apanhando na rua…
Eu – Sério?! Mas e aí?! Você ajudou, né?
Taxista – Não… Fazer o quê?… Briga de casal né?… Não dá pra fazer nada… Sei lá… Se algum encosta a mão na minha filha, eu vou pra cadeia.
Eu – Tá. E se é a sua filha apanhando na rua e alguém passa e não faz nada?
(silêncio)
Eu – Eu gostaria que parassem se fosse eu apanhando na rua. Gostaria de ser ajudada…
Taxista – Mas não é assim, não dá pra separar. Outro dia saí do meu ponto e subi as escadas do metrô porque uma moça tava apanhando do namorado. Fui apartar e até apanhei da moça. Ele batia nela e ela revidava e batia nele e ele batia nela… Essa gostava de apanhar.
Eu – Se sou eu apanhando na rua, gostaria de ser ajudada. Espero que alguém pare pra me ajudar…

Fim do meu show de horrores particular.

Fiquei tão chocada que nem consegui dizer que esperava que ele pensasse na filha dele da próxima vez que visse uma mulher apanhando na rua e não fizesse nada!
Mas juro que o que eu mais queria dizer era “vai se foder, seu merda! Conivente filho da puta! Graças a Deus que não sou tua filha”. Tudo o que saiu da minha boca foi “boa noite”.

Fim de domingo mais triste esse…

Emaranhado

31 ago

O caos está proposto [muitas vezes imposto] como sistema de informações. Não sejamos tolos: busquemos a fonte e bebamos da água mais pura, se possível!
Temos a capacidade de pensar, refletir e questionar livremente [ou quase isso].
Na busca pela verdade o que conta é a humildade da mesma, não a velocidade de sua reprodução.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.