eu desejo…

9 ago

E SE, vejam bem, nós respeitássemos todas as pessoas por pelo menos um dia?
se por pelo menos um dia, não agredíssemos física ou verbalmente ninguém?

se passássemos 24h sem odiar ou desejar o mal, a morte ou a dor de ninguém?

imagine se eu, você e toda a humanidade pudéssemos passar esse dia inteiro
sem sentir medo ou raiva de nada que nenhuma pessoa faça,
pois ela também estaria respeitando você,
não cobrando você ou dizendo como você deveria viver?!…

seria esse o dia em que sentiríamos o sabor do verdadeiro amor?

sobre o medo de ser mulher

20 jul

essa noite eu tive um sonho ruim que é realidade para todxs as mulheres. todxs nós sofremos assédio. hoje quando eu pensei em sair de casa para ir logo ali, eu tive medo.

assédio é violência e não precisamos que nos toquem pra que isso aconteça.

basta receber uma foto daquelas que você não pediu e nem quer receber. basta te pedirem fotos quando você já cansou de dizer não. basta te cercarem ou pegarem na sua cintura “de brincadeira”. e tanto mais!…

físico ou virtual, não importa! é assédio, é violência e nós não aturamos mais! chega! não nos impeçam de sair de casa só porque você se acha “no direito de”.

você não tem direito nenhum!

para tati

16 jul

quando eu olho pra janela

lembro de você.

das noites quentes e insones

e de cartas escritas e nunca enviadas. 

bate uma saudade de um tempo novo!

de viver mesmo com medo,

de ser aventura.

Anuncio aqui

13 jul

Hoje me deu uma vontade imensa de escrever. Foi um daqueles momentos em que eu adoraria sentar em frente a uma bela paisagem, abrir as cortinas para o sol entrar morno, sentir aquela brisa leve e agradável e escrever uma carta a alguém. 

O “problema” é que não tenho nada pra compartilhar com ninguém. Tudo o que tenho pra dizer é para mim mesma e não posso me mandar cartas. Quer dizer, até poderia, mas com que intuito? Para aguardar uma resposta de mim mesma para perguntas que não sei mais fazer? 

Acho que a minha falta de comunicação está buscando um remetente misterioso. Desses que antigamente se colocavam à disposição de quem quer que fosse nos jornais. Ainda existem esses anúncios? Talvez eu deva criar o meu. É isso! Criarei um anúncio para correspondentes:

Respondo todo e qualquer tipo de carta desde que escrita com a maior honestidade. Brinco em serviço, mas sempre de forma respeitosa. Aceito cartas anônimas e de desconhecidos desde que venham assim sinalizadas. Crio cartas de amor e posso corresponder ao seu de forma real ou fictícia. Aguardo respostas e aguardarei sempre. Responderei sempre com amor.

meu pé de Lua

26 jun

cantam vozes, visões.

sonhos ilustram seu caminhar

noite vai, noite vem

estrelas caminham pelo céu.

e minha Lua?

te sinto aqui!

sinto forte, quente, viva.

sumiste? por onde anda?

pra onde vai?

volta! vem pra perto.

vem pra dentro.

vem, minha Lua,

vem pra mim.

a revolta é legítima

25 mai

quando foi a última vez que você se sentiu menosprezado? tenho certeza que você lembra com indignação o que é exclamar que estava sendo injustiçado enquanto alguém te dizia que você estava exagerando. pois eu vou lhe contar uma coisa: não era exagero antes e não é exagero agora. 

quando alguém te diz que se sentiu ofendido por algo que você disse, você não diz que a pessoa está exagerando, você não diz pra deixar pra lá, você não dá o assunto por encerrado, você não ri da pessoa. você cala a boca e se pergunta onde pode tê-la ofendido. 

não importa o quão alterada a pessoa esteja. ela está sofrendo e você, muitas vezes preso em seu orgulho, nem percebe que está pouco ligando para isso. você se sente inatingível enquanto um ser está aos berros tentando te fazer escutar as palavras horríveis que você disse a ela. 

quando alguém que te ama, respeita ou mesmo nem liga pra você te diz que você fez merda, pare e cheire a bosta que você tá pisando. ela pode ser só sua, mas pode incomodar bastante gente. 

Perguntas, gêneros e a porcaria da generalização

22 mai

Assisti ao trailer do documentário De Gravata e Unha Vermelha. Fui fazer as coisas da vida e decidi escrever sobre arte. Três parágrafos e um incômodo se transformou em aflição e me fez parar imediatamente de produzir.

Por que bocetas não posso escrever os termos no feminino? Uma terapeuta ou uma artista ou uma paciente e isso querer dizer TODA a população mundial? PODE SIM! Porque eu quero. Porque eu decidi e porque eu vou fazer!

O masculino não generaliza! 

Entendeu ou quer que desenhe?

versão maior do trailer

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.